/ MINHA HISTÓRIA

CLEBES
 
MENDES

          A minha história de vida não é diferente de nenhuma outra pessoa que viveu na minha geração. Fui uma criança que cresceu brincando na rua, longe das tecnologias que naquela época pouco existiam e cresci dando valor ao contato pessoal e as amizades que fiz ao longo dos anos. Cresci e comecei a trabalhar, tinha em mente que eu deveria me sustentar desde cedo e batalhar para conquistar o que eu sonhava.

          Nasci e cresci em Gravataí, criado pelos meus pais, Agostinho Mendes e Maria Leci Moreira Mendes, junto com minha irmã mais velha, Silvia. Moramos em algumas das mais famosas localidades de Gravataí, o que me fez conhecer boa parte das comunidades da cidade.

          Desde pequeno minha brincadeira preferida era jogar bola, cresci entre os anos 70 e 80 vendo alguns dos melhores jogadores do Brasil brilharem com seu futebol pelos gramados do nosso país, a paixão pelo esporte era inevitável. Logo, a brincadeira começou a ficar séria e comecei a integrar as categorias infantis e juvenis de alguns clubes da região até chegar à base do Sport Club Internacional, o sonho se tornava realidade, porém a dificuldade de locomoção e a necessidade de trabalhar era uma realidade, o que me fez abdicar do sonho de seguir a carreira no futebol, mas que não me impediu de jogar pelos mais diversos e famosos times amadores de Gravataí.

          Com a vontade de não ficar em casa e trabalhar consegui meu primeiro emprego em uma lanchonete no centro de Gravataí com 14 anos de idade, essa com certeza foi uma das mais valiosas oportunidades que tive e até hoje, sou grato ao seu Jorge, conhecido como Gringo, por ter me dado a primeira oportunidade de trabalho. Após essa experiência trabalhei com meu pai na função de taxista e servente de pedreiro, depois tive a experiência de trabalhar na SN Muller e, passado um tempo, ingressei na fábrica Pirelli Pneus, o sonho de trabalho para os jovens da época.

          Após quase cinco anos na Pirelli decidi trabalhar como agricultor no município vizinho, Glorinha, uma das melhores experiências que tive até hoje. O contato com o campo e os animais sempre me fez bem e era algo que por hobby eu sempre gostei de fazer. Logo após, tive a oportunidade de abrir meus próprios negócios no ramo de automóveis e em seguida no ramo imobiliário, o que me fez conhecer muitas pessoas e muitos lugares da nossa cidade. Trabalhei com meus empreendimentos comerciais até o dia de minha posse como vereador, onde abdiquei dessas funções para me dedicar à vida parlamentar na cidade.

          Ao longo desses anos tive uma das mais gratas honras que um homem pode ter, a de ser pai. Nada pode ser mais glorioso do que ver crianças crescendo debaixo dos meus cuidados e eu tive a chance de estar presente e dar carinho para os meus três filhos que sempre estiveram comigo nos melhores momentos da minha vida. Meus meninos Felipe (23), Wesley (20) e o Renato Augusto (6) têm todo o amor que um pai possa dar aos seus filhos.

          No ano de 2004 aconteceu um dos maiores momentos da minha vida, casei com a minha querida esposa Fernanda Coruja Barth, mãe do meu último filho, o Renato. Mas, infelizmente, o destino às vezes nos prega peças e ela acabou nos deixando em Julho de 2013, após nove anos de casado, vítima de um aneurisma cerebral. Mas a ela eu devo parte do homem que sou e das minhas conquistas pessoais e profissionais e com certeza estará para sempre em nossas lembranças pela grande mulher, filha, mãe e esposa que foi.

/ HISTÓRIA POLÍTICA

          Eu sempre digo e reafirmo, quando posso, que nunca tive contato nenhum com a política antes de ser vereador, não ingressei em cargo público ou sequer era filiado a partido algum. Entretanto, meu grande contato com a comunidade e uma utilidade pública surgiu no ano 2000 quando fui em Brasília, representando o Parque dos Anjos, para discutirmos a PEC das emancipações, que visava contemplar algumas localidades que tinham o intuito de se tornar municípios. Infelizmente a emancipação da região do Parque dos Anjos não aconteceu e desde então continuávamos todos moradores de Gravataí.

 

          No ano de 2012, após conhecer muitos problemas da cidade e idealizar soluções para os mesmos, ouvi de muitos amigos e até de políticos que eu deveria tentar uma vaga na câmara. Embora achasse que esse não fosse meu perfil, a sugestão começou a se desenrolar e na época o prefeito de Gravataí, Acimar Silva, disse que era viável uma candidatura com o meu nome, já que ele não concorreria à vaga na qual foi eleito por quatro eleições. Afirmou também que os votos da região do Parque dos Anjos precisariam agora de um representante, então no último dia para filiações de candidatos eu tomei a decisão: ingressei ao MDB, na época PMDB, e coloquei o meu nome junto à nominata de candidatos a vereador do partido.

 

          Ouvi de muitos que quem não era “político tradicional” não se elegeria, que um bairro não levava ninguém a câmara, mas, mesmo assim segui com a minha campanha, pouco dinheiro e poucos colaboradores que mais eram amigos do que militantes políticos.

 

          No dia 07 de outubro de 2012, para a surpresa da maioria, ao abrirem as urnas o meu nome constava como um dos 21 eleitos para a Câmara de Vereadores de Gravataí. Com 1.974 votos eu conquistava uma cadeira no legislativo municipal pela primeira vez.

 

          Durante meus quatro primeiros anos como vereador apresentei três projetos que viraram lei no nosso município, além dos mais de 4.000 requerimentos da comunidade que foram atendidos pelo executivo.

 

          Além disso, fui durante o primeiro mandato, sendo até hoje, o representante da Câmara de vereadores de Gravataí no Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí, estando presente na elaboração de projetos ambientais que visam recuperar a qualidade do nosso rio.

 

          No parlamento, estive presente em todas as sessões e, nas minhas ausências, eu estava representando a câmara na função de vereador em outra localidade. Nunca me esquivei do trabalho, implementei a filosofia do setor privado para dentro do meu gabinete e estive 24 horas por dia à disposição daqueles no qual eu me propus a representar.

 

          Também, ocupei importantes funções na Câmara de Vereadores como a de vice-presidente no ano de 2014, a de líder do governo nos anos de 2015 e 2016 (primeiro semestre), líder da bancada do MDB em 2016 (segundo semestre) e presidente da comissão de Urbanismo, Habitação, Obras e Serviços Públicos, bem como membro das comissões de Justiça e Redação, Trânsito e Transporte, Segurança Pública e de Direitos do Bem Estar Animal.

 

          A resposta positiva veio no dia 02 de outubro de 2016 quando fui reeleito vereador com 2.654 votos, 680 a mais do que em 2012.

          Comecei o meu segundo mandato da mesma forma que o primeiro, só que mais empolgado e mais motivado e, ainda por cima, com uma responsabilidade maior ainda, a de representar mais pessoas e cada vez mais servir. No primeiro semestre fui líder do governo na câmara onde ajudei a aprovar diversos projetos que alavancaram o avanço do município.

 

          Meu gabinete segue cada dia mais aberto e eu a cada dia mais disponível para toda a população de Gravataí.

Câmara Municipal de Vereadores
Av. José Loureiro da Silva, 2597 Gabinete 20 4° Andar